Quem sou eu

Minha foto
maringa, pr, Brazil
Eu sou uma pessoa simples, que ama a Deus acima de tudo. Sou agradecida a Deus pelas bençãos que Ele tem derramado na minha vida todos os dias... de como Ele se tem feio presente na minha vida... e da minha familia... Sou mãe, filha, esposa, e professoras... buscando em Deus.. para que meu auxilie ser melhor em tudo o que eu faço.. Pois a glória é apenas de Deus... Pois sem Deus, NADA PODEMOS FAZER...

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

ORDENS E CLASSES - CDU - 5 ANO












5 ANO - RECURSOS NATURAIS - A AGUA


Água potável

Apenas 3% das águas são doces

Ronaldo Decicino*

Apesar de ser o rio mais caudaloso do mundo, Amazonas já sente efeitos do aquecimento global
A água potável é um recurso finito, que se espalha em partes desiguais pela superfície terrestre. Se, por um lado, seu ciclo natural se responsabiliza pela sua manutenção tornando-a um recurso renovável, por outro, suas reservas são limitadas.
A quantidade de água doce produzida pelo seu ciclo natural é hoje basicamente a mesma que em 1950 e que deverá permanecer inalterada até 2050. Essencial para a vida, a água doce tornou-se um problema em todos os continentes, levando a ONU (Organização das Nações Unidas) a criar em 2004 o Dia Mundial da Água - 22 de março.
Preocupar-se com a escassez de água em um planeta que tem 75% de sua superfície coberta por água parece absurdo. No entanto, a maior parte desse volume encontra-se nos mares e oceanos - água salgada, imprópria para o consumo humano e para a produção de alimentos.
Apesar de 75% da superfície do planeta ser recoberta por massas líquidas, a água doce não representa mais do que 3% desse total. Apenas um terço da água doce - presente nos rios, lagos, lençóis freáticos superficiais e atmosfera - é acessível. O restante está concentrado em geleiras, calotas polares e lençóis freáticos profundos, conforme mostra a tabela abaixo:


























Local
Volume (km3)
Percentual do total (%)
Oceanos
1.370.000
97,61
Calotas polares e geleiras
29.000
2,08
Água subterrânea
4.000
0,29
Água doce de lagos
125
0,009
Água salgada de lagos
104
0,008
Água misturada no solo
67
0,005
Rios
1,2
0,00009
Vapor d’água na atmosfera
14
0,0009
Fonte: R.G. Wetzel, 1983.



Consumo de água

Embora seja uma substância abundante em nosso planeta, especialistas alertam para um possível colapso das reservas de água doce, que vêm se tornando uma raridade em vários países. A quantidade de água no mundo permanece constante, ao passo que a procura aumenta a cada dia e, somada a essa, procura tem-se atitudes e comportamentos que vão do desperdício à poluição, resultando numa relação desigual entre natureza e seres humanos - enquanto as reservas de água estão diminuindo, a demanda cresce de forma dramática e em um ritmo insustentável.

Referências Bibliográficas

"A questão da água no Brasil e no mundo" - Nelson Bacic Olic - Revista Pangea Mundo;
"A possível futura escassez de água doce que existe na Terra" - Rosana Camargo
Encarte Folha Ciência - Folha de São Paulo 14/08/2002.













4 ano - o solo

PLANEJAMENTO 30/11 a 03/11
O SOLO

O solo é a parte da crosta terrestre onde nascem e crescem diversos tipos de plantas, onde vivem os seres humanos e muitos outros animais.
O solo é formado por partículas de rochas que se desgastaram com o passar do tempo e por restos de animais e vegetais mortos que foram decompostos, ou seja, apodreceram.
Os solos foram sendo formados ao longo do tempo e são resultado da erosão sobre as rochas que formaram a costa terrestre, a rocha-mãe. O calor, frio, chuva e vento, e ação dos seres vivos, ao longo do tempo, provocaram a quebra dessas rochas em pedaços cada vez menores, que deram origem a novas rochas e a diferentes tipos de solo.
Abaixo do solo está o subsolo, que possui várias camadas: uma mais profunda formada por uma rocha dura e compacta e, outras mais superficiais, compostas por pedaços de rochas de diferentes tamanhos.

Marcha criança: ciências naturais, 3ª. Série/ Maria Teresa Marsico... – SP: Scipione, 2005.
WWW. Wikipédia.com.br – acessado em 26/02/10



PLANEJAMENTO 30/11 a 03/11
TIPOS DE SOLO

Podemos encontrar diferentes tipos de solo nos diversos ambientes existentes em nosso planeta. Um dos fatores que diferencia os tipos de solo é a quantidade de cada um de seus componentes.
Areia, húmus, argila e calcário são alguns dos componentes do solo. Com base na quantidade desses componentes, podemos classificar o solo em diferentes tipos:
  • Solo arenoso: contém mais areia do que os outros solos;
  • Solo humífero: contém mais húmus, isto é, encontramos nele uma quantidade maior de restos de animais e vegetais decompostos;
  • Solo argiloso: contém uma quantidade maior de argila, isto é, barro;
  • Solo calcário: é rico em carbonato de cálcio, composto utilizado na fabricação de cal, cimento, gesso etc.
O solo arenoso e o calcário são permeáveis, isto é, deixam a água passar com mais facilidade e secam logo.
O solo argiloso é pouco permeável, isto é, ele não deixa a água das chuvas escoar com facilidade e fica encharcado.
O solo humífero retém a água das chuvas e contém minerais necessários ao desenvolvimento das plantas. É um solo úmido e muito fértil, ideal para o plantio.
Em geral, os solos não são apenas arenosos, argilosos, calcários ou humíferos. É muito comum encontrar solos que são uma mistura desses tipos.

Marcha criança: ciências naturais, 3ª. Série/ Maria Teresa Marsico... – SP: Scipione, 2005.
WWW. Wikipédia.com.br – acessado em 26/02/10



O USO DO SOLO NA AGRICULTURA E PECUÁRIA


CUIDADOS COM O SOLO

É do solo que os seres humanos e outros animais retiram a maior parte dos alimentos de que necessitam para viver. Porém as plantas não se desenvolvem bem em qualquer tipo de solo.
Os solos apropriados para o plantio devem reter uma certa quantidade de água, necessária para o desenvolvimento das plantas. Devem também ser compostos de uma mistura equilibrada de areia, argila, calcário e húmus.
Para garantir essas boas condições para o plantio e evitar o empobrecimento do solo, é preciso tomar alguns cuidados, como a irrigação, a drenagem, a adubação e a aração do solo.
Os solos secos devem ser irrigados, isto é, precisam ser molhados. A água utilizada na irrigação pode ser obtida de vários modos: desviando rios com canais para que ela chegue até o solo cultivado; construindo açudes; abrindo poços etc.
Nos solos muito úmidos, é preciso fazer a drenagem, isto é, retirar o excesso de água. A drenagem pode ser feita por meio da construção de valas e da instalação de tubos.
Os solos compactados devem ser arados, ou seja, mexidos para ficarem mais fofos, com menos torrões e mais espaço para a penetração de ar e de água. Isso favorece o desenvolvimento de sementes e raízes.
Numa plantação, à medida que se desenvolvem, as plantas absorvem sais minerais do solo. Com isso ele empobrece.
Os solos com poucos nutrientes precisam ser adubados. Para adubar o solo, acrescentando as substâncias de que as plantas precisam para se desenvolver, podemos utilizar excrementos de animais, raízes, folhas e frutos em decomposição ou, ainda, fertilizantes.
Para facilitar a retenção de água e a circulação de ar na terra, é preciso arar o solo. A aração pode ser feita com enxadas ou com o arado, puxado por animais, ou por trator.
Sem a vegetação, o solo fica desprotegido e sofre erosão, tornando-se impróprio para o plantio.
Para conservar o solo e manter um certo equilíbrio ambiental, é importante a preservação de áreas naturais, especialmente as localidades próximo às áreas de cultivo.
As queimadas e a derrubada de árvores, quando realizadas de forma desordenada, causam sérios danos ao solo e ao meio ambiente.


Texto extraído e adaptado dos livros: FONSECA, Márcia Santos. Ciências para você. 4º. Ano, 3ª. Série. 3. ed. Curitiba: Ed. Positivo; 2007./ SANTANA, Érika. Projeto meu livro: Ciências naturais, 3ª. série . são Paulo: Escala educacional, 2005.